Crítica Macksen Luiz para Nine - Um Musical Felliniano: "Da Tela para o Palco"

Resultado de uma sofisticada construção, Nine transmite simplicidade com elenco bem afinado

Baseado no filme “8 ½”, de Federico Fellini, transposto para o palco como “Nine”, tem no acréscimo dessa ½ fração numérica, a medida da diferença que distingue a densidade no cinema da euforia no teatro. A crise de criação de Guido Contini, que na tela transbordava o universo marcante do diretor italiano, neste musical se concentra na trama, na qual as mulheres de sua vida ganham relevância. Se na tela, as figuras femininas se esfumaçam como lembranças, na adaptação ao musical orbitam como causas da imobilidade do atormentado artista em falência existencial. Ainda que sejam linguagens distintas, a do musical está submetida a certas regras que condicionam o domínio da trilha sobre a ação, em especial quando versão baseada em outra obra. Não se trata em “Nine” de reproduzir o caráter felliniano do original cinematográfico, mas de atender a necessidade de condensação em música de narrativa de imagens oníricas. A passagem é difícil e, inevitavelmente, restritiva, mas a solução dos americanos Maury Yeston (música e letras) e Arthur Kopit (texto) foi a de decupar o filme em quadros, editando em canções a história simplificada. Ter assistido ao filme talvez provoque reação dúbia diante do musical, pela relativa perda da atmosfera do original e pela redução ao entrecho do que é imaginação poética. Mas são detalhes que aos olhos daqueles que desconhecem o filme se tornam secundários e desnecessários à recepção da comédia musical, em que as composições se integram com fluidez ao envolvimento de Contini com variados arquétipos femininos. Ainda que as canções não fiquem nos ouvidos, com exceção da mais famosa, “Voglio Bene/Be Italian”, cada uma delas serve ao desenvolvimento dramático, funcionando com expressão própria. Na fluente e sonora tradução de Claudio Botelho e na direção musical, regência e nos arranjos competentes de Paulo Nogueira, o repertório soa complementar ao texto e ao compasso ritmado dos diálogos. Charles Möeller desenhou a montagem explorando as competências de um elenco bem selecionado. O espetáculo transmite simplicidade, resultado de sofisticada e criteriosa construção, na qual a cenografia funcional de Rogério Falcão, a iluminação eficiente de Paulo César Medeiros, e a coreografia de Alonso Barros contribuem para a realização afinada. Mesmo com o visagismo de Beto Carramanhos e o figurino de Lino Villaventura destoando do refinamento dos demais meios, é nos atores que “Nine” se revela fellinianamente legítimo. Nicola Lama é um Guido Contini sanguíneo, que se equilibra com habilidades de intérprete e cantor, entre o humor semelhante ao dos atores das comédias italianas dos anos 1960, e o vigor do músico que enfrenta com bravura as exigências de partituras complexas. Totia Meireles empresta a sua experiência ao gênero como a produtora de filmes, destacando-se na cena do Folies Bergéres. Carol Castro se mostra empenhada em dar corpo a Luisa Contini. Malu Rodrigues ilumina a cena com sua beleza translúcida e voz límpida como a amante. Karen Junqueira deixa menos visível a sedutora aparição da atriz que se recusa a participar do filme ainda sem roteiro. Sonia Clara impõe sua figura elegante como a mãe. Em papéis alternados, num coro de belos rostos, Letícia Birkheuer, Ágata Matos, Camilla Marotti, Laís Lenci, Lola Fanucchi e Priscila Esteves compõem um coletivo de sonoridade irretocável. Myra Ruiz, apesar da glamourização da Saraghina, tem segura intervenção. O menino Luiz Felipe Mello, de 9 anos, o Guidinho, é uma presença encantadora.

Por Macksen Luiz - O Globo: 21/10/2015.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Buscar